Detalhes da notícia

mudança coletiva de hábitos mobiliza comunidade catarinense

Projeto premiado internacionalmente conscientiza moradores de Florianópolis sobre o descarte de resíduos sólidos e melhora condições de saúde no bairro Monte Cristo

 

O projeto Revolução dos Baldinhos mudou o cenário do bairro Monte Cristo, em Florianópolis. O local onde eram depositados todos os tipos de resíduos sólidos,provocando infestação por roedores e baratas e causando problemas de saúde pública foi transformado. A mudança aconteceu por meio da conscientização sobre o descarte correto do chamado “lixo” cotidiano.e, atualmente, “revoluciona” a vida de 150 famílias cadastradas, além de dar tratamento adequado a 1,6 toneladas de resíduos orgânicos, com a participação direta de  oito colaboradores. Desenvolvido na Comunidade Chico Mendes, em Florianópolis, o projeto é coordenado por Cintia da Cruz desde outubro de 2016. Ela vai apresentar o case, premiado internacionalmente, no 8º Seminário Cidade Bem Tratada, no dia 12 de setembro em Porto Alegre. Cintia é, também, idealizadora do projeto Cozinha Mãe, que busca o reaproveitamento de alimentos e a formação de microempreendedores comunitários, com oficinas de integração alimentar.


 

Cidade Bem Tratada: O quem vem a ser a Revolução dos Baldinhos? De onde se originou?

Cintia: O projeto surgiu em 2008, da necessidade de separação do lixo e de solucionar um problema grave de saúde pública relacionado ao descarte indevido de detritos no bairro Monte Cristo, onde está a Comunidade Chico Mendes, em Florianópolis. É uma iniciativa comunitária de gestão de resíduos orgânicos. Chamamos de Revolução, porque o projeto ganhou a imensa dedicação de voluntários/as que conscientizam a população local da importância da separação dos resíduos e do fortalecimento da agricultura familiar, com técnicas de compostagem e tratamento de resíduos orgânicos transformados em adubo, promovendo agricultura urbana, além de desenvolvimento econômico e social.

 

Cidade Bem Tratada: Onde é desenvolvido o projeto e que âmbito tem?

Cintia: Trabalhamos com 150 famílias cadastradas, atingindo entre 750 a 900 pessoas, com nossas atividades. Hoje o projeto trata dentro da comunidade 1,6 toneladas de resíduos orgânicos, com a participação de oito colaboradores. Descentralizamos em três comunidades de Floripa, pela rede de compostagem, com o público de 200 pessoas em seis formações. Além da atuação e articulações em Floripa, fazemos replicações pelo Brasil. Temos uma parceria com o Centro de Estudos e Promoção da Agricultura de Grupo (Cepagro) em algumas formações dentro dos empreendimentos Minha Casa, Minha Vida. Estivemos replicando em Foz do Iguaçu, São Paulo e norte do País.

 

Cidade Bem Tratada: Quais os principais benefícios da Revolução dos Baldinhos?

Cintia: o processo da compostagem ajuda a reduzir em cerca de 50% o volume de lixo produzido nas residências. Com isto, é reduzida a emissão de poluentes e o uso de energia no transporte de resíduos. Buscamos sensibilizar para transformar realidade! Com a compostagem abordamos vários temas e demandas internas da comunidade. O desvio do aterro sanitário, traz a descentralização do tratamento da matéria orgânica. Qualidade de vida, direito à terra, consumo consciente, a valorização da matéria orgânica e da agricultura urbana e familiar. Ao incentivarmos a conscientização, promovemos a capacitação ambiental das pessoas envolvidas, que acabam multiplicando o conhecimento. 

 

Cidade Bem Tratada: Fale sobre a premiação internacional recebida pelo Projeto recentemente.

Cintia: Trata-se do “Outstanding Practices in Agroecology 2019”. O concurso, organizado pelo World Future Council (WFC) em colaboração com a start-up Tecnologia para Agroecologia no Sul Global (TAGS), reconheceu as 15 melhores iniciativas de transição para a agroecologia no Sul global. 

Entre 77 práticas apresentadas por 44 países, um júri de especialistas internacionais escolheu 15 projetos da África, Ásia e América Latina. A “Revolução dos Baldinhos”, está entre eles. O sistema de gerenciamento de resíduos, idealizado e implementado com a participação do Cepagro – Centro de Estudos e Promoção da Agricultura de Grupo, beneficiando mais de 1.600 pessoas. Recebemos a distinção na Alemanha no início deste ano, fomos certificados como prática para o futuro. Este prêmio veio para somar, mostrando que estamos no caminho certo! 

Confira matéria no site da ONU:

Vídeo com Cintia Cruz sobre compostagem.

Siga o projeto nas redes sociais