Detalhes da notícia


Campanha Floripa Livre de Plástico estimula mudança de hábito da população
 

Reduzir o impacto do lixo jogado nos oceanos tem sido uma das principais frentes de trabalho do vereador Pedro de Assis Silvestre, o Pedrão, reeleito em segundo mandato em Florianópolis. Com a maior votação da história de Santa Catarina, ele é presidente da Frente Parlamentar de Combate ao Lixo Marinho, que já impactou diretamente mais de 50 mil pessoas. 
 
Na manhã do dia 12 de setembro, ele será um dos palestrantes no Cidade Bem Tratada, participando do debate intitulado“ Resíduos sólidos, águas e energia renovável: cenários, convergências e comunicação. Desafios da sociedade de risco.”


Cidade Bem Tratada: Como surgiu a iniciativa #FloripaLivreDePlástico, já implantada e que está sob sua coordenação? Quais foram os desafios enfrentados.

Vereador Pedrão: A Campanha surgiu a partir da da Frente Parlamentar de Combate ao Lixo no Mar, uma frente pioneira no Brasil. O objetivo é trazer para dentro do parlamento municipal o debate sobre o impacto da vida humana, em especial do consumo e descarte indevido de resíduos, no ambiente natural. No nosso caso, tudo que acontece em Floripa acaba parando no mar, por isso trouxemos este tema. Em vez de iniciarmos uma construção legislativa, criando leis de proibição, optamos por criar uma campanha de conscientização, sensibilização e também de empoderamento das pessoas, para que elas conheçam a importância até de recusar os plásticos de uso único, os descartáveis.
 
A grande dificuldade para a criação da Floripa Livre de Plástico não foi capital humano, ao contrário, fomos apoiados por diversas pessoas e entidades. O ponto vulnerável foi a questão financeira, pois optamos em não usar recursos públicos para a execução. Fizemos com o voluntariado, doações da iniciativa privada, o custo foi próximo ao zero. Em Florianópolis, estimamos que 50 mil pessoas foram impactadas pela campanha. Via redes sociais, evento que realizamos no centro da cidade, palestras, limpezas de praias.
 
Cidade Bem Tratada: Como está o engajamento da sociedade e a atuação em rede?
 
Vereador Pedrão:  Embora tenhamos a campanha há apenas um ano, temos certeza de que a sociedade abraçou a iniciativa. A ação já é reconhecida nas ruas. Recebemos muitos relatos, especialmente via Instagram, de pessoas que estão mudando seus comportamentos. São atitudes simples, como a criação de seus próprios copos, sacolas com jornais, e até aqueles que abriram mão de usar descartáveis. Replicamos estas ações recebidas como inspiração.
 
Cidade Bem Tratada: Quais os resultados da campanha até o momento? 
 
Vereador Pedrão: Conseguimos mensurar de forma bem aproximada, tendo em vista as interações que estamos acompanhando, via redes sociais. O crescimento é diário, já  passou de 30 mil interações na página do Instagram. Também destaco o evento, Floripa Livre de Plástico. realizado no Centro da cidade, no dia 5 de junho, quando conversamos diretamente com 500 cidadãos, individualmente. Foram as pessoas que receberam uma ecobag da campanha. Para serem presenteadas, precisavam travar um diálogo conosco. Recebiam uma mini palestra da equipe da campanha e assistiam o documentário “Uma gota ponto doc”. Fora isso, conseguimos conversar com cerca de 2 mil alunos da rede municipal.
 
Cidade Bem Tratada: A campanha tem um novo desafio agora, que é colaborar nas ações do Plano Nacional de Combate ao Lixo no Mar. Como pretende fazer isso? Há apoio do poder Executivo?
 
Vereador Pedrão: Estivemos em alguns eventos junto à ONU e levamos a palestra “Floripa Livre de Plástico” para os apoiadores da causa e também para a ONU. Tivemos uma participação consultiva na construção do Plano Nacional. O Plano foi publicado, mas não tornou-se um decreto ou uma lei, é um protocolo de intenções. Em nossa avaliação,  poderia ter ficado muito melhor, ficou abaixo de nossas expectativas. Como há muitas atribuições aos municípios, vindas do Plano Nacional, a nossa intenção é fazer com que o poder Executivo municipal some esforços ao poder Legislativo para a construção do Plano Municipal de Combate ao Lixo do Mar. Queremos colocar metas de ações como: redução de plásticos descartáveis, colocação de redes nas saídas de drenagem (pesca ao lixo), remuneração por serviços prestados, uma parceria com colônias de pesca, adoção de bueiros inteligentes, remuneração por serviço ambiental prestado, incentivo aos projetos de limpeza de praias, sendo que estes possam gerar dados para subsidiar as políticas municipais e acompanhar a evolução da problemática. Nossa intenção é alterar a realidade via participação da Frente Parlamentar.
 
Cidade Bem Tratada: A sociedade está bem informada a respeito dos danos que os plásticos causam à vida marinha?
 
Vereador Pedrão: A sociedade recebeu um choque de informações nos últimos dois anos, relativo ao impacto do plástico, mas está distante da mudança de hábito. A informação chegou, elencaram-se o canudo e o copo plástico como os grandes vilões e as pessoas reduziram o consumo destes itens. No entanto, outros itens poluidores do meio ambiente, como sacolas de supermercado, embalagens, garrafas pets seguem sendo muito utilizados.  As pessoas têm informações, mas falta mudar o hábito. As pessoas precisam colocar em prática as informações que receberam. Falta uma compreensão maior do todo.
 
Cidade Bem Tratada: O que falta para que haja uma conscientização maior em todo o país, a respeito da importância de preservar os oceanos e a vida marinha?
 
Vereador Pedrão: Falta engajamento da sociedade, apontando as falhas do atual modelo, que é um modelo retitíneo de consumo. Temos que trabalhar os conceitos de economia circular. Por exemplo, o arroz, que é vendido com um plástico que o embala, que é utilizado apenas uma vez. Temos que nos questionar, quero o produto e a embalagem que polui? O governo deve estimular, via incentivos, descontos em impostos que a indústria biodegradável, de economia circular aconteça  no nosso país. Precisamos estimular para que essa mudança social ocorra com mais celeridade.
 
 

Além das palestras, o Seminário terá a exibição de fotografias do Prêmio #CidadeBemTratada, com imagens feitas pelos seguidores do evento nas redes sociais, e coleta de resíduos eletrônicos durante todo o dia. O credenciamento começa às 8h. Inscreva-se no link: http://www.cidadebemtratada.com.br/novo/inscricoes

A 8ª edição do Seminário Cidade Bem Tratada é realizada pela Fundação Mata Atlântica Ecossistemas. Conta com o patrocínio da Companhia Riograndense de Valorização de Resíduos (CRVR), Grupo Zaffari, Associação Técnica Brasileira das Indústrias Automáticas de Vidro (Abividro), Tampinha Legal e Sindiatacadistas. Tem apoio institucional do Ministério Público do RS e Famurs. São parceiros:F órum GD Região Sul, Grupo FRG, Cooperativa Paulo Freire e Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes RS).