Detalhes da notícia

O Brasil produz anualmente 1,5 mil tonelada de lixo eletrônico

José Luis Cardoso da Silva, gestor ambiental, está na direção da Cooperativa de Trabalho Socioambiental Paulo Freire (CTSP) desde 2011, um pouco antes da formação da cooperativa. Tem como norte a visão da instituição que é gerar trabalho e renda para pessoas em situação de vulnerabilidade social por meio da reciclagem de resíduos eletrônicos. No dia a dia na Paulo Freire, o gestor administra as coletas feitas pelo Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU). Isso acontece pelo convênio feito entre o órgão da Prefeitura Municipal de Porto Alegre e a Cooperativa há 5 anos. Os materiais recebidos são: placas, cobre, alumínio e ferro, oriundos do ‘lixo eletrônico’ (e-lixo) que poderiam parar no meio ambiente. Além da quantidade de resíduos eletrônicos que são gerados atualmente, o problema do e-lixo foi, e sempre será, o descarte inadequado, pois estes produtos possuem uma composição química com substâncias altamente tóxicas ao meio ambiente e sua decomposição traz prejuízos à saúde.
 
O Brasil desponta na liderança de produção de lixo eletrônico (e-waste ou e-lixo), da América Latina, diz o Global e-Waste Monitor que avalia no mundo a quantidade de resíduos a partir de computadores, televisores e celulares descartados. Uma pesquisa da Organização das Nações Unidas (ONU), revela que o país produz anualmente 1,5 mil tonelada, sendo o sétimo maior produtor de lixo eletrônico do mundo, ficando atrás apenas de China, Estados Unidos, Japão, Índia, Alemanha e Reino Unido, respectivamente.
 
Por isso, o trabalho conjunto entre o DMLU e a CTPS é de extrema importância para a comunidade da capital dos gaúchos. O gestor explica para a comunidade, a educação ambiental feita em forma de oficinas e palestras e os pontos de coletas que possibilitam a população descartar os eletrônicos corretamente é um ganho para o meio ambiente. Para a cidade e o meio ambiente contribuímos com o objetivo da sustentabilidade do planeta e da população. “Passamos a contribuir com a prefeitura na diminuição dos resíduos eletrônicos enviados para o aterro sanitário, o controle de planilhas de informação sobre a cooperativa. Agradecemos a todas as pessoas que fazem o descarte adequado de seus resíduos, pois é o que assegura o nosso trabalho. Assim como esta ação que fazemos há alguns anos com o Seminário Cidade Bem Tratada, temos condições de fazer mais e empregar mais gente desde que o material chegue até nós”, comentou. A sede da instituição fica na avenida Voluntários da Pátria, 2552, e a cooperativa fica aberta de segunda-feira a sexta-feira, das 9h às 16h. A Cooperativa Paulo Freire, que recebe eletrônicos da coleta Itinerante é um ponto fixo de entrega de eletrônicos.